Férias escolares vão pesar no bolso de quem vai viajar

Imprimir Envie para um amigo
Férias escolares vão pesar no bolso de quem vai viajar

As férias escolares exigem mais do orçamento familiar. Se a opção for viajar, as despesas com excursão e tour (5,97%), bares e lanchonetes (4,97%) e refeições em restaurantes (3,51%) podem encarecer o passeio. De acordo com o IPC-10/FGV, calculado pelo Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (FGV IBRE), esses serviços ultrapassaram a inflação acumulada nos últimos 12 meses (janeiro a dezembro de 2017), que ficou em 3,24%.

Os que optarem por ficar em casa vão perceber que reforçar a despensa com as guloseimas favoritas de crianças e adolescentes ficou mais barato. A cesta de gêneros alimentícioscomposta por 10 itens subiu 1,89%, abaixo da inflação acumulada este ano. No levantamento feito pelo economista e coordenador do Índice de Preços ao Consumidor (IPC) do FGV IBRE, André Braz, bombons e chocolates (-9,32%), biscoitos (-0,13%) e salsicha e salsichão (1,93%) estão com preços mais baixos.

Já o lazer na cidade não deve dar trégua ao bolso de papais e mamães. Os shows musicais registraram aumento de 11,75%, enquanto clubes de recreação subiram 8,29% e cinemas, 6,97% – variações bem acima da inflação medida pelo FGV IBRE.  Para Braz, seja qual for a escolha da família, a melhor opção é sempre planejar.

“As viagens programadas são bem-vindas. A provisão antecipada do dinheiro das férias evita que o orçamento familiar de janeiro entre no vermelho. Lembrando que em janeiro aparecem gastos com matrícula escolar, material didático, IPVA e IPTU. Para quem não se programou a despesa pode pesar no orçamento, pois excursões e refeições subiram mais que a inflação média”, explicou o especialista.

Fonte: Portal FGV

Galeria de Fotos

Comentários